A importância de reciclar… medicamentos!


Por Dra Vanessa Azevedo – Farmacêutica

A Importância da reciclagem de medicamentos

A nova lei que visa a contribuição sobre os sacos de plástico leves é ainda recente, mas ‘agitou’ de tal forma a sociedade que assuntos como ‘impacto ambiental’, ‘reciclagem’ e ‘poluição’ voltaram a estar na ordem do dia. Plástico, vidro, papel… Reciclamos, reutilizamos… E os medicamentos? O que fazer quando já não precisamos deles?

Em Portugal, é a VALORMED, uma sociedade sem fins lucrativos, que tem a responsabilidade da gestão dos resíduos de embalagens vazias e medicamentos fora de uso. Esta surgiu em 1999, devido à urgência em criar um sistema que permitisse a recolha e tratamento dos resíduos de medicamentos de forma segura, evitando assim que fossem deitados fora como lixo comum, dando azo a acidentes domésticos, contaminação dos solos e águas, entre outros. Assim, a VALORMED disponibiliza aos cidadãos, através dos contentores que se encontram instalados nas farmácias, um sistema cómodo e seguro para se libertarem das embalagens vazias e medicamentos fora de uso, sempre sob o controlo farmacêutico. Os contentores cheios são transportados para um Centro de Triagem, onde os resíduos são separados e classificados, para depois serem entregues a gestores de resíduos autorizados responsáveis pelo seu tratamento. Papel, plástico e vidro são reciclados, enquanto os restantes resíduos são incinerados de forma segura e com valorização energética.

É importante guardarmos os medicamentos num local específico nas nossas casas (numa caixa por exemplo), afastados das crianças, e sempre dentro das embalagens originais, junto com o folheto informativo. Este método, para além de permitir uma melhor organização, facilita a tarefa de separar, com regularidade, medicamentos que já não sejam precisos ou fora da validade. Estes devem ser entregues na farmácia, bem como os materiais utilizados no acondicionamento e embalagem dos mesmos – cartonagens vazias, folhetos informativos, frascos, blisters, ampolas, bisnagas, etc. – mesmo que contenham restos de medicamentos e, ainda, os acessórios utilizados para facilitar a administração dos medicamentos – colheres, copos, seringas doseadoras, conta-gotas, cânulas, etc. Não devem ser entregues para os contentores VALORMED agulhas ou seringas, termómetros, aparelhos elétricos ou eletrónicos, gaze e material cirúrgico. As radiografias devem ser entregues nas farmácias quando a AMI lança a sua campanha anual.

O grupo Correia Rosa – Farmácias Rosa, Caldense e Santa Catarina – orgulha-se de contribuir ativamente para a sensibilização da população para as boas práticas ambientais, quer no ato da dispensa quer na organização de ações de formação em várias escolas do concelho.

E não se esqueça, “Os medicamentos fora de uso também têm remédio”!

Para saber mais: http://www.valormed.pt.

Texto Publicado na Gazeta das Caldas em Março de 2015

A Importância da reciclagem de medicamentos

 

 

Leave a comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.