Dicionário de Farmácia


Dicionário de Farmácia

Dicionário de Farmácia - Correia Rosa Lda

 

 

 

Termos do mundo farmacêutico de que provavelmente já ouviu falar…mas não faz ideia do que são!

 

 

 

Geral:

Ácido Fólico: ajuda a proteger o cérebro e a fortalecer o sistema imunitário, entre outras propriedades. Contribui para a formação do sistema nervoso do feto, pelo que às mulheres grávidas é recomendada a sua toma em suplemento alimentar. É fornecido por alimentos como os espinafres, os espargos, as couves de bruxelas, o feijão e o fígado de vaca.

Alopécia: redução parcial ou total de pêlos ou cabelos. Pode ter várias causas, podendo ter uma evolução progressiva, resolução espontânea ou controlada com tratamento médico.

Antiácido: é o nome que se dá aos medicamentos à base de saias minerais usados para combater a acidez do sistema digestivo, aumentando o pH do estômago. assim, são usados no tratamento da azia, mas também da indigestão, das náuseas e dores abdominais.

Antibióticos: são substâncias químicas com capacidade para destruir ou, pelo menos, impedir a multiplicação de bactérias, pelo que são usados no tratamento de infecções bacterianas. Não são eficazes no tratamento de doenças causadas por vírus. Só podem ser adquiridos com receita médica.

Anticoagulante: substância que impede a formação de coágulos sanguíneos, ou seja, que o sangue forme massas sólidas, que podem provocar o bloqueio da circulação do sangue em veias e artérias, originando enfartes e acidentes vasculares cerebrais. Doentes com risco elevado destas patologias tomam habitualmente este tipo de medicamentos.

Anticorpos: moléculas de uma proteína modificada presentes no plasma sanguíneo e que são produzidas pelo sistema imunitário como resposta à exposição a substâncias estranhas. Têm, pois a função de reconhecer e de neutralizar potenciais ameaças, como vírus ou bactérias.

Antidiurético: é uma substância que reduz a eliminação de água do organismo. Consiste, normalmente numa versão sintética de uma hormona naturalmente presente no corpo, a vasopressina, sendo muito utilizada em diabéticos.

Anti-histamínico: fármaco que inibe a ação da histamina e que é utilizado para combater as alergias.

Antieméticos: são medicamentos que possuem como principal característica o alívio dos sintomas relacionados com o enjoo, as náuseas e os vómitos.

Antipirético: medicamento que reduz ou previne a febre.

Anti-inflamatório: medicamento que diminui a inflamação dos tecidos. Ao diminuir a inflamação, diminui os edemas (inchaços), dor calor e vermelhidão.

Antirretrovirais: são medicamentos específicos para combater o VIH (vírus da imunodeficiência humana), causador da SIDA. Não curam a doença, mas contribuem para reduzir a quantidade de víus no sangue, diminuindo o risco de transmissão e evitando que a doença se manifeste.

Ansiolítco: trata-se de uma categoria de medicamentos utilizada para o tratamento de estados de ansiedade, stress ou mesmo depressão. Actuam sobre a região do cérebro que controla o estado de alerta, tendo, por isso, um efeito calmante. O seu usos circunscrito, e sob prescrição médica, não afecta as funções motoras ou mentais, mas o uso incorrecto e excessivo pode causar dependência.

Automedicação: é a utilização de Medicamentos Não Sujeitos a Receita Médica (MNSRM) de forma responsável, sempre que se destine ao alívio e tratamento de queixas de saúde passageiras e sem gravidade, com a assistência ou aconselhamento opcional de um profissional de saúde.

AVC = acidente vascular cerebral

Biodisponibilidade: período de tempo em que o produto é absorvido e eliminado pelo organismo e a concentração que este atinge no sangue.

Blísters: embalagens de plásticos que envolvem os comprimidos.

Broncodilatadores: fármacos que promovem a dilatação dos brônquios. São utilizados em medicamentos para minimizar os sintomas da asma, como as crises respiratórios.

Bula: é o folheto informativo do medicamento, que se encontra no interior da embalagem: contém uma síntese do mecanismo de ação, do modo de administração, das indicações, contraindicações, reações adversas e interações. Deve, pois, ser lido antes da toma de qualquer medicamento.

Células Estaminais: têm a capacidade de vir a dar origem a células especializadas como as que possuímos nos tecidos e órgãos do corpo. Há células estaminais num embrião com 3 a 5 dias, em menor quantidade nos adultos (medula e gordura), no líquido amniótico e no cordão umbilical.

Choque anafilático ou anafilaxia: é uma reacção alérgica grave caracterizada por sintomas como inchaço na boca, olhos e nariz e que pode levar a dificuldades em respirar, prurido e vermelhidão da pele, dores abdominais, náuseas e aumento do ritmo cardíaco. No limite, pode ser fatal. O tratamento consiste numa injecção subcutânea de adrenalina e na administração de oxigénio para evitar perdas de consciência.

Codeína: alcalóide extraído do ópio, pode ser preparado com morfina. É utilizado como analgésico ligeiro e antitússico. Tem propriedade hipnóticos e sedativas. Menos tóxica e não provocando habituação pode, em doses elevadas, causar sonolência, tonturas e obstipação.

Colírio: Formulação líquida que se aplica nos olhos, que pode ter propriedades lubrificantes, antibióticas, anestésicas, antialérgicas e anti-inflamatórias.

Colutório: Formulação líquida para bochechar a mucosa oral, que pode ser de uso diário a fim de melhorar a higiene oral ou usado pontualmente para tratar alguma situação inflamatória ou infecciosa.

Comparticipação: é o valor que o Estado assume no preço dos medicamentos, cabendo ao utente o pagamento da restante quantia. É estabelecido por lei, sendo definidos escalões em função do medicamento e da doença a que se destinam. Nem todos os medicamentos são comparticipados.

Corticóide: composto sintético ou natural, relacionado com as hormonas produzidas no córtex das glândulas supra-renais..  É usado para diminuir a inflamação, a asma e a dor. Devido aos efeitos secundários só deve ser  administrado sob vigilância médica.

Diastólico: é o valor mínimo da pressão arterial e corresponde à fase em que o músculo cardíaco se distende e relaxa. Considera-se normal um valor entre os 6 e os 8 mm Hg (milímetros de mercúrio).

Dose: é a quantidade de medicamento administrada para produzir efeito terapêutico: pode ser mínima (a menor quantidade necessária), máxima, tóxica (quando ultrapassa a dose máxima e provoca efeitos indesejados) letal e terapêutica (a dose ideal para produzir o efeito desejado). Também se distingue entre dose de ataque (uma dose única que atinge rapidamente o efeito) e de manutenção (uma dose baixa para manter os níveis de medicamento no sangue).

Dismenorreia: dores ou cólicas menstruais.

Disfagia: dificuldade em engolir (deglutição).

Dispneia: dificuldade em respirar.

Dispepsia: problemas de digestão dos alimentos.

Dispositivo médico: esta designação abrange um vasto conjunto de produtos que, tal como os medicamentos, se destinam a prevenir, diagnosticar ou tratar uma doença. A principal diferença é que atingem esses fins com recurso a mecanismos físicos ou mecânicos, não possuindo, pois, substância activa. É o caso das lentes de contacto, ligaduras, tiras para medição de glicémia, das próteses e dos pacemakers.

Diuréticos: são medicamentos que actuam nos rins aumentando o volume e o grau de fluxo urinário.

Enzimas: são substâncias de natureza normalmente proteica que actuam como catalisadores de reacções químicas que, sem a sua presença, dificilmente aconteciam.

Esteróides anabolizantes: são substâncias derivadas da hormona masculina testosterona, responsável pelo aparecimento dos caracteres sexuais secundários masculinos na puberdade e por estimular o crescimento muscular e ósseo. São utilizados como terapia em doentes com hipogonadismo (quando não é produzida testosterona suficiente) e como estimulantes de apetite em doentes que sofrem de SIDA ou cancro.

Excipiente: substância farmacologicamente inativa usada no medicamento para servir como veículo para o princípio ativo.

Forma farmacêutica:  forma como eles se apresentam para serem administrados (comprimidos, cápsulas, xaropes, gotas,..).

Fórmula magistral: é o medicamento preparado  em farmácia de oficina ou nos serviços farmacêuticos hospitalares segundo receita médica que especifica o doente a quem o medicamento se destina.

Fungos: esta designação abrange tanto os cogumelos que usamos na alimentação e os que ajudam à fermentação do pão como seres microscópicos que causam doenças na pele. O pé de atleta é a mais conhecida dessas doenças, comum em quem frequenta espaços húmidos como balneários, ou em quem usa calçado mal arejado. Há ainda os fungos que entram na composição de medicamentos e ajudam ao combate de infecções bacterianas.

Hipófise:

Gastrorresistente: Trata-se da propriedade de algumas cápsulas ou comprimidos que resistem à acção do suco gástrico, permitindo que actuem  no intestino sem serem previamente degradados.

HDL: estas iniciais correspondem à sigla em inglês para lipoproteínas de alta densidade. É conhecido como o “colesterol bom”, devido ao seu papel na limpeza de gorduras do sangue e encaminhamento para o fígado, que as remove do organismo. Quanto mais alto o valor de HDL menor o risco cardiovascular.

Hormonas: são substâncias produzidas pelas glândulas ou por neurónios (células do sistema nervoso). Funcionam como mensageiros, levando informação de umas células para outras e intervêm no funcionamento de vários órgãos do corpo humano. São exemplos os estrogénios, a testosterona ou a adrenalina.

Hormona de crescimento: naturalmente presente em humanos, estimula o crescimento, podendo ser administrada para compensar deficiências na produção da mesma, as quais resultam em problemas no crescimento e desenvolvimento.

Hipersensibilidade: consiste numa reacção exagerada do sistema imunitário a uma substância estranha ao organismo, que ocorre a uma exposição prévia à mesma substancia, ou seja, de uma sensibilização. É diferente de uma alergia, pois nesta o organismo reage a uma substância inofensiva.

Hiperventilação: aumento da quantidade de ar a circular nos pulmões. Pode ser provocada pelo aumento da frequência ou intensidade da respiração. Tem como causa mais frequente a ansiedade, podendo estar associada a ataques de pânico e histeria. Contudo, exercícios físico, doenças respiratórias e a febre também podem provocar hiperventilação.

LDL: por oposição ao HDL, este é o “mau colesterol” (lipoproteínas de baixa densidade). Se o seu valor for elevado, isto significa que há gorduras acumuladas nas paredes dos vasos sanguíneos e, em consequência, risco de problemas cardiovasculares. Quanto mais altos forem os valores, maior o risco.

Manipulados: é o nome que se dá aos medicamentos preparados pelo farmacêutico na farmácia de oficina ou comunitária, quase sempre à medida do doente – a composição e a dose podem ser personalizadas. São usados sobretudo para tratar problemas dermatológicos e apresemtam-se, por exemplo, sob a forma de pomadas ou pastilhas.

Medicamento Genérico: medicamento com a mesma substância activa, forma farmacêutica e dosagem e com a mesma indicação terapêutica que o medicamento original, de marca, que serviu de referência. Os medicamentos genéricos são identificados pela sigla (MG), inserida na embalagem exterior do medicamento.

Metástase: é o nome dado à multiplicação de um tumor maligno a partir da sua localização original. Acontece quando as células cancerígenas se libertam e viajam através da corrente sanguínea ou do sistema linfático para outras partes do corpo, aí desenvolvendo novos polos da doença.

Micróbios: também designados como microrganismos, são seres vivos de dimensão tão pequena que só podem ser vistos ao microscópio. São conotados como os agentes causadores de doença., porque incluem os vírus e as bactérias, mas alguns têm acção benéfica, de que são benéfica, de que são exemplo os fungos usados na fermentação de alimentos.

MSRM = medicamento sujeito a receita médica;

MNSRM =  medicamento não sujeito a receita médica;

Mucolítico: é um fármaco que dissolve o muco presentes nos brônquios, facilitando a expectoração e desimpedindo as vias respiratórios.

Nebulizador: Equipamento usado para administrar medicamentos sob a forma de vapor, que o doente inala para os pulmões através de uma máscara que se liga ao aparelho.

Parentérico: trata-se de uma forma de alimentação artificial, consistindo na administração de nutrientes por via endovenosa (utilizando um catéter).

Penicilina: trata-se de um antibiótico produzido a partir de um fungo. Descoberto, em 1929, pelo bacteriologista britânico Alexander Fleming, foi o primeiro antibiótico a ser comercializado, tendo revolucionado o tratamento de doenças  e, embora não tenha efeitos secundários significativos, há muitas pessoas que são alérgicas.

Pílula contracetiva: assume a forma de um comprimido, contendo hormonas como estrogénios e progesteronas, utilizado na prevenção da gravidez, não protegendo no entanto contra doenças sexualmente transmissíveis.

Prazo de conservação: tempo em que o medicamento estás nas condições ideias para ser tomado após abertura. É sempre inferior ao prazo de validade e nem todos os medicamento têm, sendo mais comuns nas gotas oftálmicas e nos xaropes.

Profilaxia: é sinónimo de prevenção, significando a adoção de cuidados que contribuem para minimizar a possibilidade de desenvolvimento de uma doença. É essa a função, por exemplo, das vacinas.

Reacção Adversa: É qualquer resposta a um medicamento que seja prejudicial, não intencional, e que ocorra nas doses normalmente utilizadas em seres humanos para profilaxia, diagnóstico e tratamento de doenças, ou para a modificação de uma função fisiológica. vs Efeito secundário: efeito diferente daquele considerado como principal de um medicamento, que pode ser benéfico ou não dependendo da situação.

Reação idiossincrática: constitui uma reação não previsível a um medicamento, que tem a ver com a resposta de cada indivíduo. O que acontece é uma hipersensibilidade não imunológica a uma substância, caracterizada por ser independente da toxicidade dessa mesma substância. Por exemplo: em doentes suscetíveis, a aspirina pode produzir uma urticária não alérgica.

Refluxo gastroesofágico: retorno do conteúdo do estômago para o esófago e em direção à boca, causando dor e inflamação. Isso acontece quando o músculo que deveria impedir que o ácido do estômago saia do seu interior não funciona de forma adequada.

Sobredosagem: é a administração (intencional ou acidental) de uma dose excessiva de uma substância química (medicamento, droga ou outro tipo de produto). Pode não provocar sintomas ou sinais mas debilita o organismo.

Soro fisiológico: é uma solução composta por água e sódio, na proporção de 100mL de água para 0.9g de sal. A sua utilização mais comum é na higienização dos olhos e nariz, bem como na limpeza de feridas.

Substância Ativa: substância presente no medicamento responsável pelo efeito do mesmo.

Tensiómetro: aparelho utilizado para medir a tensão arterial.

Uso interno: são os medicamentos que produzem  acção no interior do organismo, passando pelo estômago e intestino: é o caso dos comprimidos, das cápsulas, dos xaropes e dos supositórios.

Varfarina: trata-se do princípio activo dos medicamentos anti-coagulantes, isto e, que intervêm na coagulação do sangue impedindo que se torne demasiado denso e se forme trombos – uma espécie de nós que entopem os vasos sanguíneos. Estes medicamentos são usados no tratamento de AVC.

Vasodilatador: medicamento que provoca uma dilatação temporária das veias e artérias. O objectivo é aumentar o espaço por onde o sangue passa, diminuindo a pressão que exerce sobre o coração ou aumentar o fluxo de sangue quando a passagem esteja comprometida.

Venotrópico: medicamento que melhora a circulação, promovendo a tonicidade e elasticidade das veias.

 

Dermocosmética:

Atopia:  significa “doença estranha”  referente a pessoas com tendência a sofrer de dermatite (alergias na pele), rinite alérgica e asma.  A atopia é uma condição genética que faz com que o doente atópico adquira, de maneira hereditária, diversas alterações no seu sistema imunitário. A grande maioria destes doentes têm antecedentes familiares.

Comedogénico: produto que bloqueia os poros da pele favorecendo a formação de pontos negros.

Emoliente: tratamento hidratante que é muitas vezes usado para tratar sintomas relacionados com a pele seca e eczema.

Eritema: (ou rubor) é um sinal clínico, presente em várias patologias, caracterizado por uma coloração avermelhada da pele ocasionada por vasodilatação capilar.

Eritema solar: queimadura solar ou “escaldão”.

Exsudado: líquido orgânico de natureza inflamatória formado pela passagem de soro através das paredes dos vasos sanguíneos para os tecidos vizinhos.

Flictena: sinónimo de bolha. Quando nos queimamos, o  sistema linfático produz um líquido para ajudar o seu corpo a conter a queimadura, assim, evitando perda de sais minerais e água.

FPS: factor de protecção solar. É um número que expressa o múltiplo de tempo que nos podemos expôr as sol sem nos queimarmos.

Matificante: produto que absorve a oleosidade da pele sem a deixar ressequida.

Melasma: formação de manchas escuras na pele, que normalmente aparecem no rosto, mas pode ocorrer em outras áreas expostas ao sol, como braços e decote.

Parabeno: produto químico muito usado em cosmética para eliminar micro-organismos. Trata-se de um conservante que pode ser encontrado em champôs, hidratantes ou espumas de barbear. Pesquisas recentes sugerem que pode ser tóxico para as células humanas.

Prurido: comichão.

Sérum: produto cosmético de textura líquida e fluída com concentração elevada de ingrediente activos.

 

Infantil:

Crosta Láctea: pequenas placas amarelas oleosas ao toque que os bebés podem apresentar no couro cabeludo ou na testa.  Surge devido a uma secreção excessiva de sebo, que agarra as células mortas à superfície da pele até formar uma placa.

Percentil: medida estatística que reflecte em que posição se coloca a criança em relação à distribuição normal do que se está a avaliar.

 

Nutrição:

CLA: ácido linoleico conjugado, inibe uma enzima (lipopreoteína lipase) responsável pelo armazenamento de gordura nas células gordas.

Glúten: proteína encontrada nos cereais como trigo, centeio, cevada e aveia. A ingestão de alimentos com esses cereais faz mal para quem tem intolerância ao glúten, como os doentes celíacos, pois eles não conseguem digerir bem essa proteína e, por isso, quando consomem alimentos com glúten ficam com sintomas como diarreia, dor e inchaço abdominal.

IMC: fórmula que relaciona o peso corporal e a altura a fim de perceber o peso ideal para cada indivíduo. Valores a baixo de 18,5 indicam peso inferior ao ideal; IMC entre 18,5 e 25 representam peso saudável; acima de 25 trata-se de excesso de peso.

Nutracêutico: termo utilizado para nomear um nutriente específico presente num alimento, que tem propriedades farmacológicas mas que não é considerado medicamento. Exemplo: o licopeno do tomate, que pode ser utilizado como antioxidante.

Ómegas 3, 6: são ácidos gordos polinsaturados importantes para o funcionamento do sistema cardiovascular, mas que não são produzidos pelo nosso corpo, por isso devem ser adquiridos através da alimentação.

Prandial: esta expressão está associada às refeições e prende-se, essencialmente, com a toma de medicamentos ou com a medição de indicadores de saúde como a glicémia. Fala-se por exemplo em glicémia pós-prandial quando o nível de açúcar no sangue é medido após uma refeição.

Prebióticos: são fibras não digeríveis que fermentam no nosso intestino e estimulam o crescimento das bactérias probióticas.

Probióticos: são microorganismos vivos que fazem parte da flora intestinal normal, ou seja, são as bactérias presentes normalmente no nosso intestino, com a função de auxiliar o funcionamento do intestino e nos proteger de bactérias patogénicas.

Sacarose: é o nome técnico do açúcar comum. De origem vegetal é um sólido formado por cristais brancos. É extraído sobretudo da cana-do-açúcar mas também está presente em alimentos como a beterraba e algumas frutas.

Simbióticos: produtos que associam os prebóticos com os probióticos afim de intensificar os efeitos dos dois componentes.

Superalimentos: alimentos que ingeridos em pouca quantidade, fornecem uma concentração elevada de nutrientes essenciais, enzimas e/ou fitoquímicos antioxidantes.

 

Leave a comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.